A ansiedade e o esporte

por                      Daniel Bartholomeu

José Maria Montiel

Afonso  Machado 

Na opinião de Machado (2001), o esporte, de maneira geral, apresenta uma elevada emocionalidade. Nesse contexto, o aumento da ansiedade no momento esportivo decorre do aumento da pressão que é exercida sobre os jogadores com o objetivo de alcançar a vitória. Para o autor, a preocupação com a ansiedade quer seja dentro de campo ou fora dele, nunca foram tão grandes como nos dias de hoje.

Martens e colaboradores (1990), considerando a ansiedade como um constructo multidimensional, hipotetizaram que os antecedentes situacionais da ansiedade cognitiva e auto-confiança seriam os fatores no ambiente que se relacionariam à expectativa de sucesso dos jogadores, incluindo a forma como o indivíduo iria perceber sua própria habilidade e a de seu oponente, possivelmente baseada em experiência competitiva prévia. Gould e colaboradores (1984) e Martens e colaboradores (1990) ressaltaram que esses antecedentes abrangeriam ainda a importância do jogo, os efeitos de facilitação social, preparação no vestiário (locker room preparation) e rotinas de treinamento pre-competição.

Os estudos sobre ansiedade demonstram que seus níveis variam sempre antes, durante e após uma situaçãode tensão. A iminência de um evento dessa natureza parece aumentar os níveis de ansiedade, ao passo que o contato com a situação faz com que esses níveis diminuam. Entretanto, o grau em que uma competição aumenta ou diminui a ansiedade varia de acordo com a tarefa em questão. Assim, modalidades esportivas que implicam num maior uso de resistência e força tem maior probabilidade de dissipar a ansiedade em detrimento de outros como tiro ao alvo ou arco e flecha nos quais a tendência é de aumento das tensões com o prosseguir da competição (Cratty, 1984).

Referências

Martens, R., Burton, D., Vealey, R.S., Bump, L. & Smith, D.E. (1990). Development and validation of the Competitive State Anxiety Inventory-2 (CSAI-2). In R. Martens, R.S. Vealey & D., Burton (Eds), Competitive anxiety in sport (pp. 117-213). Champaign, Human Kinetics.

Machado, A.A. (2001). Agressão e Ansiedade em esportistas adolescentes. In M. A. Buriti, Psicologia do Esporte, Campinas: Alínea.

Gould, D., Petlichkoff, L. & Weinberg,, R.S. (1984). Antecedents of temporal changes in and relationships between CSAI-2 subcomponents. Journal of Sport Behaviour, 12, 183-195.

Cratty, B.J. (1984). Psychology in Contemporary Sport. Englewood Cliffs: Prentice-Hall.

Uma resposta

  1. i love it

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: