O Taekwon-Do e a sua história

por Eduardo Godoi

Prezados Leitores

Em uma pesquisa recente sobre a história do Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do, encontrei uma referência instigante a uma obra intitulada “A KILLING ART: THE UNTOLD HISTORY OF TAEKWON-DO”. O livro é de autoria de Alex Gillis que, além de jornalista, foi praticante de Taekwon-Do e conheceu pessoalmente o General Choi Hong Hi, entrevistando-o, inclusive. Além do criador do Taekwon-Do, Alex Gillis também conheceu e entrevistou alguns outros Mestres fundadores da ITF (International Taekwon-Do Federation) e da WTF (World Taekowndo Federation).

A Killing Art: The Untold History of Taekwon-Do

Uma resenha do livro, escrita pela britânica Lesley Jackson (2o. Dan Taekwon-Do ITF) pode ser encontrado no MARTIAL EDGE: um ótimo sítio eletrônico que aborda, de um modo mais acadêmico, as Artes Marciais. Segundo a resenhista,

“We are given a no-holds-barred recount of the birth of this global martial art and the mind-numbing corruption, back stabbing and total giggery pokery that would give any soap opera writer material for years.” (http://www.martialedge.net/reviews/books/a-killing-art/)

Em um outro momento, Lesley Jackson também entrevistou Alex Gillis para o site MARTIAL EDGE. Ao falar sobre o processo de pesquisa que envolveu a elaboração de seu livro, o autor conta-nos o seguinte:

“The book was difficult to research because many facts were bizarre and took enormous effort to corroborate. It was a seven-year project. I began by reading most of the mainstream works about Taekwondo and conducting a couple of crucial interviews. Afterwards, I dove into obscure sources, including more than 4,000 pages of U.S. Congressional documents about Koreagate, the scandal that followed Watergate in the 1970s. Those documents, along with Korean-language ones, contained previously classified details about martial arts leaders and secret-service agents in Taekwondo in the 1960s and 1970s, which was when Taekwondo became as hot as Karate and Kungfu.

I interviewed some of the pioneers of the art after much of the research was done, interviews that were the most challenging in my career as a journalist. In one case, I had to interview a former martial arts assassin. In a second, I needed to corroborate that a martial arts instructor had been a Korean CIA agent in a highly publicized presidential kidnapping. In a third, I had to triple-check that a cult had been involved with Taekwondo. I found at least two sources, usually three, for every fact.

During the interviews, too many people asked not to be named or told me to avoid naming someone who might take offense. I’d sit back at night and think things like, ‘Okay, this martial artist who I’m not supposed to name was part of a mass espionage mission that resulted in innocent people tortured and killed, and I’m supposed to be careful not to hurt his feelings?’ The terror these men instilled in others was palpable even decades after the events.” (http://www.martialedge.net/articles/interviews-question-and-answers/alex-gillis-and-a-killing-art-/)

Alex Gillis, o autor do livro "A Killing Art: The Untold History of Taekwon-Do

Esta reveladora entrevista recordou-me a existência de um artigo publicado na revista “Conexões” (CONEXÕES, Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 0, n. 4, 2000 – ISSN 1983 – 9030), onde encontrei uma associação desta Arte Marcial com a repressão política na época da ditadura militar no Brasil.

“Sua introdução no Brasil ocorreu no ano de 1970, atrelada a fatos políticos, isto por que o presidente do Brasil na época, Médici, entrou em contato com o criador do taekwondo e solicitou-o envio de instrutores na intenção destes ajudarem a polícia no combate ao terrorismo.” (http://www.taochido.com/trabalhos/tkdsphistoria.pdf)

Segundo o autor da obra “A KILLING ART: THE UNTOLD HISTORY OF TAEKWON-DO”, alguns Mestres e Instrutores desta Arte Marcial teriam se envolvido em atos de corrupção, assassinatos políticos, torturas, sequestros etc. O próprio General Choi Hong Hi, considerado o pai fundador do Taekwon-Do, teria participado de um golpe de estado que instalaria, em abril de 1960, uma ditadura militar na Coréia do Sul. (http://www.martialedge.net/definition/people/general-choi-hong-hi/)

Prezados Leitores, uma melhor compreensão da história da criação do Taekwon-Do e da sua rápida difusão no âmbito da Guerra Fria certamente trará contribuições significativas para o aperfeiçoamento das várias esferas de gerenciamento desta importante Arte Marcial em nosso país e no mundo.

Bons dias !!!

Boosabum Eduardo Godoi (3o. Dan)

Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do Brasil
Academia Shaolin - Louveira – SP
Rua Armando Steck, 294 – sala 2 – Centro
About these ads

4 Respostas

  1. [...] A KILLING ART: THE UNTOLD HISTORY OF TAE KWON DO – autor: Alex Gillis – editora: ECW Press (2008) [...]

  2. [...] para ajudarem a polícia na repressão política adotada pelo regime autoritário (ver “O Taekwon-Do e a sua história“). Ecoavam, certamente, nas casernas de várias nações do mundo, os sucessos dos soldados [...]

  3. [...] (ver, sobre este assunto, os artigos: General Choi, Hong Hi, embaixador coreano no Brasil e O Taekwon-Do e a sua história) . Grão Mestre Cho, Sang MIn e o Sabum Nim Cláudio Lopes (5o. Dan ITF) – foto, sem a data [...]

  4. [...] trabalho foi baseado nos relatos divulgados através do livro “A KILLING ART – THE UNTOLD HISTORY OF TAE KWON DO”,  de Alex Gillis, que traz uma vasta coleção de notas, com o intuito de demonstrar crédito a [...]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 49 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: