Em boa companhia…

por Eduardo Godoi

Em seu livro de memórias intitulado TAEKWON-DO AND I, o General Choi, Hong Hi sugere que, ao se fundar uma associação ou federação de Taekwon-Do, sejam convidados para ocupar o cargo de Presidente Honorário ou mesmo, em alguns casos, para participar ativamente do director board,  pessoas com bastante influência, do ponto de vista político e financeiro,  na comunidade onde a nova instituição pretende atuar, mesmo que estes “homens influentes” não tenham nenhum compromisso com as técnicas do Taekown-Do. Talvez o General Choi compreendesse que a titulação de um praticante (o seu “Dan”) não lhe certifica habilidades gerenciais e sim a sua competência técnica enquanto artista marcial. Talvez o General Choi apenas admitisse a necessidade de mecenatos. Um caso particular merece destaque e deixo para os Leitores os julgamentos possíveis das linhas que extrai das páginas 317 e 318 do volume 2 da obra TAEKWON-DO AND I.

“You never know what you are going to be. That was true of the live of Hyung-Wook Kim.

Hyung-Wook Kim, ex-Diretor da Korean CIA

Being the director of the KCIA, he served as the loyal dog of Jung-Hee Park, killing many learned men and patriots by spinning various schemes such as in the case of the Korean-Germans in East Berlin. He also collected illicit money and was known to have smuggled over 40 million dollars out of Korea. After he resigned he secretly took refuge in the U.S. Then he started to reveal the misconduct of Jung-Hee Park from 1977, breaking his long silence. Perhaps that was because he foresaw the collapse of Park´s regime, or he repented his sinful life, or for the money.

(…)

When I first noticed that he had made a statement against Jung-Hee Park, I wanted to persuade him to join in our Korean unification movement. So I rounded up Korean instructors who were on the ITF staff and got their understanding that if Hyung-Wook Kim donated some money to manage the activities of the ITF, we could move him into the office as one of the ITF vice-presidents, knowing that we could provide a body-guard if he needed one. With brother Duk-Shin Choi, who was the ITF permanent adviser, I agreed that we would persuade him to join the democratization movement for Korea, remembering the case of the Ho brothers in China.

The Ho brothers became multi-millionaires through conterfeinting. Perhaps they expected to live forever. But when they got old, and feeling their deaths impending, they donated all the money to public works to make recompense for their crimes in repentance. So this resulted in the development of the famous Tiger Balm Garden in Hong-Kong and Singapore. The park has two themes, that is, as the land of happiness, the Buddhist Heaven, and the Ten Courts of Hell.”

Em seus livros, o General Choi definiu um dos princípios do Taekown-Do – a Integridade – como sendo a capacidade de distinguirmos, cotidianamente, o bem do mal. Prezados Leitores, poderia eu usar, em minhas aulas, esta passagem como um exemplo de Integridade?

– – – – – – – – – – – –

Por favor, leiam, também, o artigo “Taekwon-Do: separando o joio do trigo“, onde discuto a importância de “passarmos a limpo” a história do Taekown-Do ITF e do Taekwondo WTF.  E, sobre o chamado “Incidente em Berlim Oriental”, leiam o artigo “Pioneiros do Taekwon-Do ITF / Taekwondo WTF no Brasil“.

– – – – – – – – – – – –

Bons dias !!!

Boosabum Eduardo Godoi (3o. Dan)

Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do Brasil
Academia Shaolin – Louveira – SP
Rua Armando Steck, 294 – sala 2 – Centro

Métodos de intervenção para crianças do espectro autista

 Nosso centésimo “post” !!!

Parabéns a toda a equipe TAEKWON-DO, ARTE E VIDA

 

  por                    Ana Rita Bruni

Paula Chiqueto

Daniel Bartholomeu

José M. Montiel

 A maioria dos métodos de intervenção com crianças do espectro autista contemplam o comportamento, as teorias do desenvolvimento e ensino estruturado, e são baseados em evidências empíricas mais do que em pesquisas formais, o que não significa que não são eficazes . O fato de não estarem formalmente organizados não os invalida. Estudos tem apontado que quanto mais individualizados e personalizados, maior a possibilidade de obtenção de sucesso no espectro autista, por exemplo, (Taub & Araujo, 2009) apontam que tais procedimentos tendem a contemplar eixos principais, tais como, treinamento de habilidades sociais, inserção educacional, desenvolvimento da comunicação competente, desenvolvimento de capacidades profissionais, bem como proporcionar orientaços adequadas a familiares especialmente a pais. As autoras apontam ainda, ser de grande importância a comunicação entre profissionais envolvidos, mesmo que de diferentes especialidades.

Segundo Bruni (2009) mesmo não havendo uma proposta metodologica formal e exclusiva para alfabetização desta população, a autora aponta que muitas destas crianças apresentam condições de aprender a ler e escrever bem como de obter relações mais favoraveis em seu cotidiano. Tendo por vista tais pressupostos,  no intuito de favorecer condições de desenvolvimento de um potencial pleno e mesmo produtivo, os quais considerem as peculiaridades de cada caso, é descrito a seguir diferentes abordagens propostas, as quais tendem a serem as mais procuradas atualmente, devido aos resultados positivos obtidos com tais procedimentos, ou seja, o Sistema de Comunicação por Troca de Figuras (Picture Exchange Communication System – PECS), onde a criança aprende a trocar figuras pelo objeto que deseja, aplicado no caso de indivíduos com restrita comunicação verbal. Outro modelo proposto e a Terapia de Análise Aplicada de Comportamento (Aplicated Behavior Analisys -ABA ), a partir da observação dos comportamentos da criança, compreender seu padrão de funcionamento e ampliar gradativamente, seu repertório. E por ultimo, não menos importante o TEACCH (Treatment and Education of Autistic and Related Comunication – Handicapped Children), que por meio de estratégias cognitivas e comportamentais, propõe intervir na aquisição de habilidades e alteração de respostas inadequadas, através de repetições e treinamentos.

É importante ressaltar que o sucesso de intervenção para esta população não está apenas focado no método escolhido, e sim nas possibilidades individuais de cada criança, ou seja, um indivíduo poder obter melhor resultado com determinada intervenção, que pode não ser eficaz para outro. Nestes casos cabe aos profissionais envolvidos no processo avaliarem e ponderarem qual das ou de outras intervenções melhor contemplará a demanda infantil, priorizando o que for mais necessário de acordo com a faixa etária e especialmente no que tange a independencia e qualidade de vida da criança.

Taekwon-Do: separando o joio do trigo

por Eduardo Godoi

Prezados Leitores

O fato de se apresentar a um jovem, durante as aulas de história e já a partir do Ensino Fundamental, os crimes cometidos pelos Tribunais da “Santa” Inquisição, queimando pessoas e livros, não faz com que este jovem considere inválido todos os princípios éticos defendidos, hoje, pela Igreja Católica ou que despreze os bons atos de seus seguidores honestos. Da mesma forma, estudar e condenar o nazismo não torna um estudante antipático ao povo germânico nem diminui a sua admiração pelos exemplos de cidadania que colhemos da Alemanha, hoje. A importância de “passarmos à limpo” a história de uma instituição reside também na forte sugestão, para as gerações presentes e futuras, de que devemos evitar a todo custo cometer erros semelhantes aos cometidos no passado.

É por isto que, em artigos recentemente publicados neste blog e em uma série de outros textos que ainda pretendo trazer às telas, venho abordando os porões do Taekwon-Do ITF / Taekwondo WTF, seu passado sombrio envolvendo alguns líderes destas organizações em golpes de estado, atos de gangsterismo e corrupção, sequestros, torturas e assassinatos. Acredito fortemente que uma melhor compreensão do Taekwon-Do ITF / Taekwondo WTF como um fruto complexo da Guerra Fria contibuirá sobremaneira para o amadurecimento de suas instituições num momento histórico bem mais democrático do que aquele em que se desenvolveram os seus principais estilos. Particularmente, a descoberta de comportamentos bizarros de alguns Mestres e Instrutores através das pequisas históricas que venho realizando, não diminui nem um pouco a minha paixão pelo Ch’ang Hong Ryu Taekwon-Do.

Aos Mestres, com carinho

Quanto mais eu aprofundo os meus estudos sobre a história das Coréias e do Taekwon-Do ITF / Taekwondo WTF, mais eu valorizo os Mestres, Instrutores e Assistentes de Instrutor que conheci durante os anos em que estive filiado ao Taekwon-Do Harmonia e à Federação Brasileira de Taekwon-Do ITF. Participando de seus eventos e convivendo com seus Professores e Alunos, além de ter aprendido técnicas de combate de altíssima qualidade, pude testemunhar inúmeras vezes as verdadeiras posturas marciais baseadas nos princípios de nossa arte: Cortesia, Integridade, Perseverança, Autocontrole e Espírito Indomável.

Federação Brasileira de Taekwon-Do ITF

Taekwon-Do Harmonia

Se, hoje, caminho afastado destas instituições, é para tentar desenvolver modelos de gestão inovadores sem atrapalhar o funcionamento dos sistemas adotados presentemente e por necessitar de liberdade para publicar os resultados destas minhas leituras não ortodoxas.

Bons dias !!!

Boosabum Eduardo Godoi (3o. Dan)

Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do Brasil
Academia Shaolin – Louveira – SP
Rua Armando Steck, 294 – sala 2 – Centro

Um disco, um hino, um sonho, o espírito

por Laís Semis

Uma capa azul piscina. Um dólar pendurado por um anzol e um bebê a seu caminho. “Nevermind” é um símbolo muito forte. Um símbolo relacionado a um personagem, a um espaço de tempo, mas que foi transcendido.

O “Nevermind”, obra grunge que fez as vertentes do rock se curvarem a ela, completou 20 anos. Repleta de significado e carregada de nostalgia de uma década característica, o segundo disco de estúdio do Nirvana vendeu 30 milhões de cópias.

 

Era o disco que trazia o hino da geração, “Smells Like a Teen Spirit”. Era a promessa de que o rock sempre traria um expoente renovador, que lhe daria forçar pra que sempre permanecesse vivo. Abrindo portas para o grunge e, ao mesmo tempo, criando lendas, o trio de Seattle viveu 4 anos desde o álbum de estreia e se imortalizou.

A rebeldia juvenil e as camisas de flanela foram deixadas pra trás há duas décadas. Desde então, enquanto as boys bands iam desaparecendo; mais comerciais, os roqueiros iam sendo maleados, moldados para uma indústria em que bandas como Strokes são sensação mundial, abrindo para uma era que criaria seus roqueiros sem a cartilha do punk, sem uma fúria típica, sem uma vontade revolucionária.

Kurt Cobain é levado pela multidão

O suicídio de Cobain, seguido pelo fim da banda, trouxe consigo a morte de um sonho compartilhado por milhares de jovens ao redor do mundo. Mas o grunge foi e é como o punk. Morre o sonho, mas não o espírito.

A importância da pratica da atividade física em pacientes idosos

por                                           Paula Chiqueto

Cristiane Machado Godoy

Daniel Bartholomeu

José M. Montiel

Pacientes idosos com transtorno depressivo apresentam alto risco de recorrência e recaída para este transtorno (Spear, 2002). Em um estudo Roberts, Kaplan, Shema e Strawbridge (1997). apontam a prevalência de depressão em idosos de 8,1% entre 50 a 59 anos, 6,9% de 60 a 69 anos, aumentando para 10,4% entre 70 a 79 anos e maiores que 12,7 a partir dos 80 anos de idade. Em relação aos tratamentos Scalco (2002), aponta que o sucesso do tratamento medicamentos em idosos merece especial atenção tanto devido a gravidade dos aspectos depressivos, das comorbidades com outras doenças tanto clinicas quanto psiquiátricas e especialmente da adequada escolha da medicação, pois os idosos tendem a apresentar aumento das conseqüências de alterações fisiológicas associadas ao envelhecimento, tais como diminuição do fluxo sanguíneo, diminuição da função hepática, desta maneira sendo mais sensíveis ao efeitos adversos de medicações especialmente psiquiátricas.

Em outra modalidade de tratamento a atividade física de modo global tende a propiciar inúmeros benefícios sejam, corporais, fisiológicos bem como psicológicos (Mazo, et all, 2005). Dados apontam que idosos quando praticantes de atividades físicas tendem a apresentar índices de depressão menores que daqueles que não praticam nenhuma atividade. Segundo os mesmos autores estudos comprovam melhora no aspecto emocional, aumento na auto-estima, e melhora significativa do humor, diminuição da ansiedade e de aspectos potencializadores de tensão (Mazo e cols.,2005).

Entre as atividades físicas recomendadas especialmente as aeróbicas, quando realizadas com intensidade moderada e com longa duração aqui considera-se a partir de 30 minutos, tende a propiciar alívio do estresse ou tensão, este fato esta diretamente relacionado ao aumento das taxas hormonais, especialmente a endorfina, que agem diretamente no sistema nervoso central (Stella e cols., 2002). De modo geral, reduzindo o impacto de estressores ambientais, tendendo a prevenir e/ou reduzir alterações abruptas de humor, tais como os transtornos depressivos especialmente em população idosa. Neste sentido, a atividade física aqui considerada regular deve ser apreciada como uma alternativa ou possibilidade não-farmacológica para o tratamento de alguns transtornos tais como o depressivo. Especialmente nestes casos, apresentam em relação ao tratamento medicamentoso, a vantagem de não apresentarem alguns efeitos colaterais como descritos anteriormente, e especialmente por demandar um maior comprometimento por parte dos participantes, o que pode resultar em melhoria da auto-estima, iniciativa e autoconfiança o que sumariamente tendem a ser os maiores prejuízos de tais populações. (Stella e cols., 2002). Ou seja, idosos fisicamente ativos podem interagir mais e estabelecer relações adequadas em seu cotidiano.

Como proposta para inserção do idoso em atividades diversas especialmente físicas Oliveira, Gomes & Oliveira (2006), apontam a criação de programas nacionais em centros de convivência para idosos, com o fim de promover maior participação em movimentos assistenciais e sociais; aperfeiçoamento de conhecimentos por meio de cursos, especialização; envolvimento com atividades culturais, desportivas e de lazer, visando à diminuição da sintomatologia depressiva neste grupo etário. Em um estudo com esta população Guimarães, Mazo, Simas & Salin (2006) ao estudarem 102 idosos, com idade igual ou superior a 60 anos, de ambos os sexos, sendo 82 mulheres e 20 homens, pertencentes a um programa de atividade física, concluíram que a maioria dos idosos deste estudo não apresentou tendência a estados depressivos, os participantes descreveram sua capacidade de vida diária como sendo muito boa. No que tange a pratica de atividades físicas os idosos que praticantes têm uma baixa tendência a estados depressivos e uma melhor percepção da sua capacidade funcional, ou seja, maior autonomia nas atividades da vida diária. O estudo considerou como ponto de maior relevância que a atividade física é um componente importante na saúde física e mental do idoso, tendo em vista seus benefícios biopsicossociais

Em outro estudo apresentado por Andrade (2003) com o objetivo de avaliar a redução dos níveis de depressão em idosos com mais de 60 anos, após atividade física no meio aquático, pode observar que a atividade física com pessoas idosas no meio aquático causou uma redução no nível de depressão de 15 sujeitos, de um total de 16, o que permite concluir que a atividade física no meio aquático reduz o nível de depressão, contribuindo para um estilo de vida independente e saudável, melhorando muito a capacidade funcional e a qualidade de vida para essa população. Entre os apontamentos de Andrade (2003), é de especial importância a atividade física em pessoas com mais de 60 anos, no entanto é observado que a sociedade atual tem ofertado poucas maneiras para que o idoso possa obter uma sobrevivência digna e saudável, especialmente em com espaços destinados a atividade física como um todo, sejam elas para que natureza for. Uma vez que nesta etapa da vida a atividade física torna-se vital, tanto pela vontade de descobertas, de assimilar novos valores e ter uma participação ativa, quanto de convivência e interação com seus companheiros etários.

De acordo com os apontamentos anteriormente descritos pode-se considerar que a atividade física tem seu aspecto de grande importância no idoso, seja em seus aspectos sócio-culturais, mas primordialmente no que se refere aos aspectos psicológicos e físicos, uma vez que a pratica de atividades físicas tem se demonstrado como forte preditor de melhores condições de vida nesta faixa etária. Deste modo sugerem-se estudos que avaliem a eficácia de atividades físicas diversas e especificas nesta população de modo a propiciar intervenções adequadas, tanto em casos de suspeita de aspectos depressivos, quanto em casos cujos sintomas estão cuidadosamente observados e outros manejos terapêuticos como medicamentoso pode ocasionar sintomas adversos e ou prejuízos em suas capacidade e habilidades diárias. Neste sentido, propõem-se que a pratica de atividade física seja também incluída nos diferentes tratamentos para esses transtornos.

Pioneiros do Taekwon-Do ITF / Taekwondo WTF no Brasil

por Eduardo Godoi

Prezados Leitores

Embora ainda reificando o mito da ancestralidade do Taekwon-Do e das suas origens no Taek Kyon (na verdade, o General Choi, Hong Hi desenvolveu o estilo Ch’ang Hon a partir do Karate Shotokan: ver Uma breve história dos Ch’an Hon Tul´s), os pesquisadores  da UNIVAG Edmilson Borges Müller e Jorge Eto publicaram, recentemente, um excelente artigo abordando a trajetória dos pioneiros do Taekwon-Do ITF / Taekwondo WTF no Brasil. Mais uma vez encontramos uma referência ao envio dos primeiros Instrutores ao Brasil com o intuito de treinar as forças de repressão política da ditadura militar no Brasil. Ressoava ainda,  no mundo o envolvimento, em 1967, de Mestres e Instrutores de Taekwon-Do a serviço da Korean CIA  no sequestro de duas centenas de imigrantes coreanos residentes na Alemanha, França, Áustria, Estados Unidos, Reino Unido, Austrália e Coréia do Sul. Os sequestrados eram enviados a Seul clandestinamente para serem presos e torturados. A ousadia da KCIA de atuar em territórios estrangeiros, no que ficou conhecido como “Incidente de Berlin Oriental” repercutiu fortemente na imprensa e o Taekwon-Do foi visto por alguns como uma ferramenta eficiente para o uso na repressão política (ver, sobre este assunto, os artigos: General Choi, Hong Hi, embaixador coreano no Brasil e O Taekwon-Do e a sua história) .

Grão Mestre Cho, Sang MIn, considerado oficialmente como o introdutor do Taekwon-Do no Brasil

Também o web site do Projeto Pégasus – Taekwondo para deficientes sugere que:

“Em 1970 chegou oficialmente ao Brasil o primeiro mestre de Taekwondo, que era o mestre Sam Mi Cho, indo treinar os integrantes do DOPS que ficava no quartel da ROTA (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar), um quartel da polícia militar de SP, portanto o Taekwondo começou no Brasil num quartel da PM de SP. ” (http://taekwondoparadeficientes.blogspot.com/2011/03/breve-historia-do-taekwondo.html)

Empregando os métodos da “História Oral”, a pesquisa realizada por Edmilson Borges Müller e Jorge Eto conta muito sobre os primeiros Instrutores enviados pelo General Choi ao nosso país e, após uma abordagem geral sobre a história desta arte marcial no Brasil, o trabalho foca a introdução desta atividade em Cuiabá-MT. A leitura do texto é muito empolgante. Confiram em: História Oral do Taekwondo em Cuiabá-MT: Os primeiros Mestres.

Bons dias !!!

Boosabum Eduardo Godoi (3o. Dan)

Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do Brasil
Academia Shaolin – Louveira – SP
Rua Armando Steck, 294 – sala 2 – Centro

Manipulação de resultados nas lutas do Taekwondo olímpico

por Eduardo Godoi

Prezados Leitores

Em sua edição de abril de 2002, a revista coreana Shin Dong-A Monthly Magazine, publicou uma entrevista dada ao reporter Sung-Chul Yook pelo Mestre Chong Woo Lee, então Vice-Presidente do Kukkiwon (quartel general da World Taekwondo Federation), que confessou o seu envolvimento direto na manipulação de resultados nas disputas do Taekwondo olímpico nos jogos de Sydney (2000), explicando como parte dos Árbitros eram orientados para favorecerem os atletas da Coréia do Sul. Além do trecho copiado abaixo, que aborda este tema, vale a pena ler a entrevista inteira (“clicando” no nome da revista, em destaque, acima), onde o Mestre Chong Woo Lee fala sobre a “guerra fria” travada entre o General Choi Hong Hi (então Presidente da ITF) e Kim Un Yong (então Presidente da WTF) pela liderança do Taekown-Do mundial e  sobre os estágios iniciais do desenvolvimento desta arte marcial a partir do Karate Shotokan.

É possível ainda o "fair play" ?

–  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –

“At that time, as the Vice-President of the World Taekwondo Federation, I was responsible for all technical matters for the Taekwondo competition. When we assigned referees prior to the competition, I was the one who decided most of all who was to be assigned or not assigned [for each match]. I could not openly ask judges to take care of Korea, could I? So when I hit the judges’ backs, some were sensitive enough to understand what it meant, while the insensitive ones did not understand at all. I could not ask them to look after [Korean athletes], [I could only tell] them to be fair, however when Korea was defeated, I could not help but change my attitude. Then, I shouted to them, ‘What made you judge that way’.”

[Reporter’s Question]: Do you mean to say you made an effort to ensure that Korean athletes perform their best and receive fair judging? If not…

Page 296, Shin Dong-A, April 2002

[Chong Woo Lee’s Response]: “That is correct. When they were told, ‘Be fair’, they read my intention and sensed it. I was in charge of this kind of manipulation and I carried it out. Without it, we could not have taken any more than one or two gold medals. That sort of thing was accepted and worked out because we were Korean, not from other countries.”

[Reporter’s Question]: I watched all three final matches where Korean players fought, and based on what I observed, I believe that all three Korean athletes won.

[Chong Woo Lee’s Response]: “Only watching the final match would not be enough. In order to understand it as a whole, you have to pay very careful attention beginning with the first match. In this sense, it is not that simple. There are so-called tactics. That is, you kill the strong opponent beforehand. We are not the ones who kill [athletes]. The judges do. When you tell judges to do their job fairly, they know what to do and they do it. From the beginning of the preliminary games, you have to perform ‘gagee-chigee’ [branch trimming]. If not, at the end you will be in trouble.”

“There is no such thing as Fair Play”

[Reporter’s Comment]: Vice-President Lee uttered the words, ‘gagee-chigee’ [branch trimming]. As a major method of manipulating results, it refers to the handy method of eliminating potential rivals at an early stage. For example, if there is athlete ‘A’ who might be strong against a Korean athlete, by eliminating ‘A’ in the preliminary contest, you are helping the Korean win. In the sports community, during the time of the ‘86 Seoul Asian Games and the 88 Seoul Olympics, there were many rumors that the ‘branch trimming’ method was being used in competitive combat sports. However, there had been no official admission of any instances.

[Reporter’s Question]: In 2001, this was an issue at the time of the national team trials and the World Taekwondo Championships as well. My understanding is that some judges made unfavorable decisions for athletes from certain schools.

[Chong Woo Lee’s Response]: “Out of their carelessness. Shallow [without skill] tactics do not work. The way they did it was certainly detected.”

[Reporter’s Question]: Do you mean that ‘branch trimming’ is inevitable in order for Korea to retain its reputation as the strong Taekwondo country?

[Chong Woo Lee’s Response]: “Yes, I do. If a formidable person goes out as a judge, it is difficult to do it the way we want. It is also difficult to kill the Korean athlete’s opponent at the final match. Therefore, from the beginning, you should have a good grasp as to which country is strong. Assigning judges is a skill. That is, so and so country will be in the competition. So and so country should not get into the finals. Therefore, so and so should be killed this way.”

[Reporter’s Question]: From the point of view that Taekwondo is a sport which puts its emphasis on courtesy, isn’t that ‘tree trimming’ unjust behavior contrary to good sportsmanship?

[Chong Woo Lee’s Response]: “When judges play tricks, the outcome of a match is reversed. If a judge says he did not see [a point], that is the end of it, and he can make repeated deductions of points. For this reason, I did this (Moves his hand horizontally across his throat) to one of the judges. He was the one who caused the defeat of a female Korean athlete, by giving her a deduction. I gathered the judges together and instructed

them absolutely not to call deduction of points, but to give a ‘choui’ [pre-warning] for the first and second time, and then a ‘kyungo’ warning for the third one. In spite of my instructions, he made deductions. After the match, I shouted at him, ‘You cannot do that! Do you have a problem?’ After this match, the attitudes of the judges changed completely.”

Page 297, Shin Dong-A, April 2002 Kukkiwon Vice President Chong Woo Lee on

Taekwondo’s Past’ and A Shocking Confession!

[Reporter’s Question]: ‘Critically speaking, it seems to me that ‘gagee-chigee’ [branch trimming] is a precise way to manipulate results’.

[Chong Woo Lee’s Response]: “If this was disclosed openly, it would be a disgrace for Korea. But this is a reality. For example, if there were a final match between two strong competitors representing Korea and Germany, we would not make Germany lose in the final. If we perceived that the Korean athlete would have the disadvantage in a match against the German, we would ‘kill’ this German athlete before he reached the final.”

[Reporter’s Question]: I don’t think that’s fair. Upon hearing these words of the Vice-President, I am worried that Korea might cause some misunderstandings about the way Korea is maintaining a good reputation as a strong power in Taekwondo through the use of result manipulation.

[Chong Woo Lee’s Response]: “This is related to the national interest. This is a sensitive issue. When Korean Taekwondo is destroyed, there will be chaos and then athletes’ spirit will fall to the ground. Foreign athletes’ skills have improved drastically. This [result manipulation] has been possible, because Korea has dominated the leadership. Sung Dong Kim in short track [Salt Lake City Olympic Games] is the same case as this. There is no fair play.”

[Reporter’s Question]: Do you mean that in almost all the international games including the Olympics, this sort of unwritten rule is applied?

[Chong Woo Lee’s Response]: “Yes, a country that holds dominant leadership is always a strong country [in that sport’s standings].”

[Reporter’s Comment]: In sports, the theory of the strong nation holds true. During the 1992 Barcelona Olympiad, the competition chart turned out to be unfavorable to Japanese athletes. They redid the chart. Again, at the 1988 Seoul Olympics, a gold medal was placed around a Korean boxer’s neck after an unsatisfactory performance. That is not all. In Korean wrestling matches, bunches of ghost (bogus) players are registered in the competition schedule chart. Moreover, we hear that regardless of the sport, there are many stories of judges being bribed. It is common sense that in the category of ball games, the interests of the strong nations are reflected in the choice of competition site, time, competition schedule chart and judge assignments. Sportsmanship is an important factor in enhancing the appeal of sports, but factors outside the competition have a constant influence on the outcome of the competition.

[Reporter’s Question]: It is known that Japanese Judo, [as the originator of the sport] takes advantage. Mr. Vice-President, if you hold a high position, do you think you are entitled to exercise this level of privilege to that extent?

[Chong Woo Lee’s Response]: “I don’t think I am entitled to do it completely. The point is we have to revive our national spirit. When we take home gold medals from the Olympics and international competitions, our national morale is greatly increased. If this story is going to be put on the Internet . . .”

[Reporter’s Question]: What is your estimate of how many gold medals our Taekwondo would be awarded if we competed fairly without  privilege?

[Chong Woo Lee’s Response]: “We would reap half, at the most. If not, up to 40 percent. Out of ten weight divisions, we could hope for 4, and 6 would go to other countries. You could count on three out of ten.”

–  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –

Bons dias !!!

Boosabum Eduardo Godoi (3o. Dan)

Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do Brasil
Academia Shaolin – Louveira – SP
Rua Armando Steck, 294 – sala 2 – Centro