Manipulação de resultados nas lutas do Taekwondo olímpico

por Eduardo Godoi

Prezados Leitores

Em sua edição de abril de 2002, a revista coreana Shin Dong-A Monthly Magazine, publicou uma entrevista dada ao reporter Sung-Chul Yook pelo Mestre Chong Woo Lee, então Vice-Presidente do Kukkiwon (quartel general da World Taekwondo Federation), que confessou o seu envolvimento direto na manipulação de resultados nas disputas do Taekwondo olímpico nos jogos de Sydney (2000), explicando como parte dos Árbitros eram orientados para favorecerem os atletas da Coréia do Sul. Além do trecho copiado abaixo, que aborda este tema, vale a pena ler a entrevista inteira (“clicando” no nome da revista, em destaque, acima), onde o Mestre Chong Woo Lee fala sobre a “guerra fria” travada entre o General Choi Hong Hi (então Presidente da ITF) e Kim Un Yong (então Presidente da WTF) pela liderança do Taekown-Do mundial e  sobre os estágios iniciais do desenvolvimento desta arte marcial a partir do Karate Shotokan.

É possível ainda o "fair play" ?

–  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –

“At that time, as the Vice-President of the World Taekwondo Federation, I was responsible for all technical matters for the Taekwondo competition. When we assigned referees prior to the competition, I was the one who decided most of all who was to be assigned or not assigned [for each match]. I could not openly ask judges to take care of Korea, could I? So when I hit the judges’ backs, some were sensitive enough to understand what it meant, while the insensitive ones did not understand at all. I could not ask them to look after [Korean athletes], [I could only tell] them to be fair, however when Korea was defeated, I could not help but change my attitude. Then, I shouted to them, ‘What made you judge that way’.”

[Reporter’s Question]: Do you mean to say you made an effort to ensure that Korean athletes perform their best and receive fair judging? If not…

Page 296, Shin Dong-A, April 2002

[Chong Woo Lee’s Response]: “That is correct. When they were told, ‘Be fair’, they read my intention and sensed it. I was in charge of this kind of manipulation and I carried it out. Without it, we could not have taken any more than one or two gold medals. That sort of thing was accepted and worked out because we were Korean, not from other countries.”

[Reporter’s Question]: I watched all three final matches where Korean players fought, and based on what I observed, I believe that all three Korean athletes won.

[Chong Woo Lee’s Response]: “Only watching the final match would not be enough. In order to understand it as a whole, you have to pay very careful attention beginning with the first match. In this sense, it is not that simple. There are so-called tactics. That is, you kill the strong opponent beforehand. We are not the ones who kill [athletes]. The judges do. When you tell judges to do their job fairly, they know what to do and they do it. From the beginning of the preliminary games, you have to perform ‘gagee-chigeehttp://trimming. If not, at the end you will be in trouble.”

“There is no such thing as Fair Play”

[Reporter’s Comment]: Vice-President Lee uttered the words, ‘gagee-chigee’ http://trimming. As a major method of manipulating results, it refers to the handy method of eliminating potential rivals at an early stage. For example, if there is athlete ‘A’ who might be strong against a Korean athlete, by eliminating ‘A’ in the preliminary contest, you are helping the Korean win. In the sports community, during the time of the ‘86 Seoul Asian Games and the 88 Seoul Olympics, there were many rumors that the ‘branch trimming’ method was being used in competitive combat sports. However, there had been no official admission of any instances.

[Reporter’s Question]: In 2001, this was an issue at the time of the national team trials and the World Taekwondo Championships as well. My understanding is that some judges made unfavorable decisions for athletes from certain schools.

[Chong Woo Lee’s Response]: “Out of their carelessness. Shallow [without skill] tactics do not work. The way they did it was certainly detected.”

[Reporter’s Question]: Do you mean that ‘branch trimming’ is inevitable in order for Korea to retain its reputation as the strong Taekwondo country?

[Chong Woo Lee’s Response]: “Yes, I do. If a formidable person goes out as a judge, it is difficult to do it the way we want. It is also difficult to kill the Korean athlete’s opponent at the final match. Therefore, from the beginning, you should have a good grasp as to which country is strong. Assigning judges is a skill. That is, so and so country will be in the competition. So and so country should not get into the finals. Therefore, so and so should be killed this way.”

[Reporter’s Question]: From the point of view that Taekwondo is a sport which puts its emphasis on courtesy, isn’t that ‘tree trimming’ unjust behavior contrary to good sportsmanship?

[Chong Woo Lee’s Response]: “When judges play tricks, the outcome of a match is reversed. If a judge says he did not see [a point], that is the end of it, and he can make repeated deductions of points. For this reason, I did this (Moves his hand horizontally across his throat) to one of the judges. He was the one who caused the defeat of a female Korean athlete, by giving her a deduction. I gathered the judges together and instructed

them absolutely not to call deduction of points, but to give a ‘choui’ [pre-warning] for the first and second time, and then a ‘kyungo’ warning for the third one. In spite of my instructions, he made deductions. After the match, I shouted at him, ‘You cannot do that! Do you have a problem?’ After this match, the attitudes of the judges changed completely.”

Page 297, Shin Dong-A, April 2002 Kukkiwon Vice President Chong Woo Lee on

Taekwondo’s Past’ and A Shocking Confession!

[Reporter’s Question]: ‘Critically speaking, it seems to me that ‘gagee-chigee’ http://trimming is a precise way to manipulate results’.

[Chong Woo Lee’s Response]: “If this was disclosed openly, it would be a disgrace for Korea. But this is a reality. For example, if there were a final match between two strong competitors representing Korea and Germany, we would not make Germany lose in the final. If we perceived that the Korean athlete would have the disadvantage in a match against the German, we would ‘kill’ this German athlete before he reached the final.”

[Reporter’s Question]: I don’t think that’s fair. Upon hearing these words of the Vice-President, I am worried that Korea might cause some misunderstandings about the way Korea is maintaining a good reputation as a strong power in Taekwondo through the use of result manipulation.

[Chong Woo Lee’s Response]: “This is related to the national interest. This is a sensitive issue. When Korean Taekwondo is destroyed, there will be chaos and then athletes’ spirit will fall to the ground. Foreign athletes’ skills have improved drastically. This [result manipulation] has been possible, because Korea has dominated the leadership. Sung Dong Kim in short track [Salt Lake City Olympic Games] is the same case as this. There is no fair play.”

[Reporter’s Question]: Do you mean that in almost all the international games including the Olympics, this sort of unwritten rule is applied?

[Chong Woo Lee’s Response]: “Yes, a country that holds dominant leadership is always a strong country [in that sport’s standings].”

[Reporter’s Comment]: In sports, the theory of the strong nation holds true. During the 1992 Barcelona Olympiad, the competition chart turned out to be unfavorable to Japanese athletes. They redid the chart. Again, at the 1988 Seoul Olympics, a gold medal was placed around a Korean boxer’s neck after an unsatisfactory performance. That is not all. In Korean wrestling matches, bunches of ghost (bogus) players are registered in the competition schedule chart. Moreover, we hear that regardless of the sport, there are many stories of judges being bribed. It is common sense that in the category of ball games, the interests of the strong nations are reflected in the choice of competition site, time, competition schedule chart and judge assignments. Sportsmanship is an important factor in enhancing the appeal of sports, but factors outside the competition have a constant influence on the outcome of the competition.

[Reporter’s Question]: It is known that Japanese Judo, [as the originator of the sport] takes advantage. Mr. Vice-President, if you hold a high position, do you think you are entitled to exercise this level of privilege to that extent?

[Chong Woo Lee’s Response]: “I don’t think I am entitled to do it completely. The point is we have to revive our national spirit. When we take home gold medals from the Olympics and international competitions, our national morale is greatly increased. If this story is going to be put on the Internet . . .”

[Reporter’s Question]: What is your estimate of how many gold medals our Taekwondo would be awarded if we competed fairly without  privilege?

[Chong Woo Lee’s Response]: “We would reap half, at the most. If not, up to 40 percent. Out of ten weight divisions, we could hope for 4, and 6 would go to other countries. You could count on three out of ten.”

–  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –

Bons dias !!!

Boosabum Eduardo Godoi (3o. Dan)

Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do Brasil
Academia Shaolin – Louveira – SP
Rua Armando Steck, 294 – sala 2 – Centro

Virando o rosto

por Eduardo Godoi

Prezados Leitores

Num artigo publicado recentemente neste blog e intitulado “Esqueceram de mim I, II, III e IV”, apresentamos os componentes de um Conselho de Ring  responsável por gerenciar as disputas dentro da modalidade Luta Livre nas competições do Taekwon-Do ITF. Como pudemos verificar, o Árbitro Central é o responsável pelo bom andamento de um combate, cuidando principalmente do seu aspecto disciplinar. Deste modo, além de orientar os Atletas (e também os Árbitros Laterais) para o cumprimento de um certo protocolo padrão, usa de suas prerrogativas para, se necessário, punir os competidores, atribuindo-lhes advertências ou faltas. Portanto, a atuação do Árbitro Central pode influenciar diretamente o resultado de uma luta pois, a cada três advertências recebidas por um Atleta, este perde um ponto e a cada falta imputada a um Atleta, subtrai-se-lhe imediatamente um outro ponto.

É muito importante estarmos atentos a um erro grave e não raro cometido pela maioria dos Árbitros Centrais, mesmo por aqueles com graduação elevada (para os padrões brasileiros) e com um longo histórico de participação em torneios.

Qual a punição para um Atleta que, ao ser atacado, vira o rosto  com medo de enfrentar diretamente o perigo que lhe é iminente ?

A resposta é até muito simples: ele fica mais exposto ao primeiro ataque de seu oponente, sujeitando-se ainda a receber uma sequência de golpes, pois ignora a movimentação do adversário.

Então qual a razão para tantos Árbitros Centrais acrescentarem erroneamente uma advertência ao infortúnio do Atleta acuado?

Eu tenho dois palpites e uma certeza.

  • pretendendo ser didáticos e protetores imaginam que, punindo o Atleta com uma advertência, evitam-lhe a  ocorrência de uma situação futura semelhante; no entanto, favorecem ainda mais o seu oponente que, além de já ter pontuado em uma pessoa desprotegida, pode ser agraciado com a dedução de um ponto do Atleta punido, caso este some três advertências;
  • os Árbitros mais novos vão imitando os Árbitros mais experientes, copiando-lhes os erros e os acertos;
  • é certo que ignoram o que está escrito sobre as advertências no regulamento oficial da International Taekwon-Do Federation.

No item T38 de ITF Rules of Competition – Section 3 – Sparring estão definidas quais são as únicas atitudes que devem ser punidas com uma advertência:

  • atacar um alvo não permitido;
  • pisar com os dois pés fora do ring (exceto nos casos em que o competidor for conduzido de forma ilegal para fora do ring);
  • tocar o solo com quaisquer partes do corpo que não sejam os pés;
  • segurar e empurrar o adversário;
  • tentar “passar uma rasteira” no adversário;
  • fingir que se machucou para tentar obter alguma vantagem;
  • evitar intencionalmente o combate;
  • comemorar um ataque levantando o braço para tentar induzir os Árbitros Laterais a marcarem um ponto a seu favor.

Há ainda um agravante nesta história: ao sinalizar a advertência irregularmente administrada, os Árbitros Centrais utilizam de um gestuário que não existe em nenhum manual de arbitragem…

Corrigindo os nossos erros

Em sua totalidade, os Árbitros são Faixas-Pretas abnegados (muitos deles são Atletas que ainda competem após toda uma jornada num Conselho de Ring) e que se esforçam, dentro de suas possibilidades e motivações, para viabilizar a realização de um torneio. Como não existe um “plano de carreira” atrativo para este tipo de colaborador, é pouco provável que um jovem Faixa-Preta tenha como meta, por exemplo, tornar-se um grande Árbitro Internacional. Assim, não há uma demanda que justifique visitas constantes do Comitê de Competição e Arbitragem (ITF Tournament and Umpire Committee) para a realização de cursos de atualização no assunto.

Por outro lado, é essencial que, internamente, as associações de Taekwon-Do ITF no Brasil realizem – com a frequência necessária para elevar a qualidade da arbitragem em nossas competições – cursos ou mesmo encontros informais para o treinamento de nossos colaboradores. Para tanto, basta convidar Faixas-Pretas da própria associação que dominem o tema e que possuam uma boa didática (qualquer que seja a sua graduação, o que importa é o real domínio da arte de arbitrar) ou, se necessário, convidar um colaborador externo competente para este fim. Além disso, seria muito interessante, de tempos em tempos, a realização de um curso para a formação de Árbitros Nacionais com a chancela da Federação Brasileira de Taekwon-Do ITF. Não podemos nunca esquecer de que a frequência com que são graduados novos Faixas-Pretas é muito maior do que a frequência com que se realiza qualquer tipo de treinamento. Também não podemos nos contentar com as reuniões de Árbitros que ocorrem meia hora antes do início de cada torneio: o foco destes encontros é gerencial e não educativo.

Precisamos, antes de reclamar da arbitragem, preparar com qualidade os nossos colaboradores. De preferência, com um treinamento constante e com um custo muito baixo para os envolvidos.

Bons dias !!!

Boosabum Eduardo Godoi (3o. Dan)

Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do Brasil
Academia Shaolin – Louveira – SP
Rua Armando Steck, 294 – sala 2 – Centro

Quem pode arbitrar ?

por Eduardo Godoi

Prezados Leitores

Nestes dias, uma questão vem burilando na caixola umas idéias – que há muito as trago comigo – sobre as relações entre uma arte marcial e um seu desporto derivado: preservando o seu anonimato, um nosso Leitor surpreendeu-me ao perguntar se era possível um não praticante de Taekwon-Do atuar como Árbitro nas competições realizadas sob a égide da ITF e, em caso afirmativo, quais seriam os cursos voltados para a formação de Árbitros. No texto presente, o limite será a indicação de quais são os requisitos para se arbitrar uma competição internacional do Taekwon-Do ITF, prometendo já, para breve, a apresentação de umas opiniões mais acabadas sobre o assunto.

O Comite de Competição e Arbitragem (ITF Tournament and Umpire Committee) é a instância máxima, no âmbito da International Taekwon-Do Federation, para deliberar sobre a organização de torneios e sobre as regras de competição. No entanto, a sua missão está voltada, principalmente, para a obtenção de um sucesso cada vez maior em eventos como o Campeonato Mundial de Taekwon-Do ITF (disputa restrita aos selecionados nacionais) e a Copa do Mundo de Taekwon-Do ITF (disputa franqueada a um número ilimitado de atletas por país). Para tanto, ocupa-se também da formação de Árbitros Internacionais.

Segundo o item U17 de ITF Umpire Rules & Regulations, existem Árbitros Internacionais do tipo “Classe B” e do tipo “Classe A”.

ÁRBITRO “CLASSE B”

Para se tornar um Árbitro “Classe B” é necessário:

  • possuir, ao menos 21 anos de idade;
  • ser um Faixa-Preta graduado com o 2o. ou com o 3o. Dan;
  • participar de um curso de arbitragem oficial da ITF (Umpire and Officials Training Course, ministrado pelo ITF Tournament and Umpire Committee) e, sendo aprovado no curso, obter o certificado de Árbitro “Classe B”;
  • participar regularmente de torneios sob a jurisdição da ITF.

ÁRBITRO “CLASSE A”

Para se tornar um Árbitro “Classe A” é necessário:

  • possuir, ao menos 25 anos de idade;
  • ser um Faixa-Preta graduado, pelo menos, com o 4o. Dan;
  • possuir o certificado do Curso de Instrutores Internacionais;
  • já possuir o certificado de Árbitro “Classe B”;
  • possuir, ao menos, três anos de experiência de arbitragem em torneios nacionais;
  • participar de um curso de arbitragem oficial da ITF (Umpire and Officials Training Course, ministrado pelo ITF Tournament and Umpire Committee) e, sendo aprovado no curso, obter o certificado de Árbitro “Classe A”;
  • participar regularmente de torneios sob a jurisdição da ITF.

Como podemos observar, há uma grande preocupação com a formação dos Árbitros Internacionais e os membros do Comitê de Competição e Arbitragem estão sempre atentos à necessidade de melhora contínua na qualidade técnica de seus colaboradores. Particularmente, a participação no curso de arbitragem foi uma experiência fascinante e abriu um horizonte completamente novo para o Taekwon-Do em minha vida.

E como se dá a formação de Árbitros para atuar em competições no Brasil ? Seria possível um não praticante de Taekwon-Do arbitrar uma competição de luta, por exemplo ?

Prezados Leitores, em nossos próximos encontros, voltaremos a abordar estes assuntos que, embora aparentemente simples, envolvem os conceitos de arte marcial e de desporto e também a própria estrutura da ITF no Brasil.

Bons dias !!!

Boosabum Eduardo Godoi (3o. Dan)

Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do Brasil
Academia Shaolin – Louveira – SP
Rua Armando Steck, 294 – sala 2 – Centro

Esqueceram de mim I, II, III e IV

por Eduardo Godoi

Prezados Leitores

Convido-os a uma breve reflexão sobre o papel de alguns personagens fundamentais para o bom andamento das competições de Luta Livre pertinentes ao Taekwon-Do ITF. Estudando o Referee and Umpire Training Manual, de autoria do Sabum Nim Kurt Ottesen (6o. Dan ITF e membro do ITF Tournament and Umpire Committee), aprendemos que todo ring é administrado por um Conselho de Ring (Ring Council) composto, idealmente, por:

  • um Presidente para comandar todas as ações dos membros do Conselho de Ring;
  • dois Árbitros para auxiliar o Presidente (cronometragem, verificação das credenciais dos atletas, registro de advertências e faltas etc.);
  • um Árbitro Central para conduzir as lutas, principalmente do ponto de vista disciplinar;
  • quatro Árbitros Laterais  para atribuir pontos aos competidores.

Ao longo de nossos “bate-papos extemporâneos”,  tenciono apresentar aos Leitores, com uma profundidade maior, as várias funções desempenhadas num Conselho de Ring e os protocolos de ação correspondentes. Neste artigo, vamos endereçar a nossa atenção para os quatro cantos de um ring, onde encontraremos – solitários – uns pares de olhos que marcam…

Desde 2002, quando fui graduado Faixa Preta 1o. Dan, venho constantemente atuando como Árbitro nos torneios de Taekwon-Do ITF no Brasil. Durante muitos anos, como sucede a todo Árbitro iniciante, trabalhei exclusivamente como Árbitro Lateral, contabilizando os pontos conquistados pelos Atletas e as punições por eles recebidas, atribuindo um vencedor a cada disputa. Aprendi muito neste período, observando atentamente – a partir um ângulo favorável – uma postura bastante diversificada entre os vários colegas de arbitragem.

No entanto, o que me impressiona ainda é o abandono do Árbitro Lateral durante as competições. Distante de outros colegas de arbitragem, sem autorização para levantar-se – nem mesmo durante os intervalos de uma contenda ou durante os intervalos entre lutas consecutivas – o Árbitro Lateral sofre um grande desconforto ao longo de uma jornada, tendo prejudicada, certamente, a qualidade de seu trabalho: o corpo dolorido por permanecer um longo período sentado , fome, sede e algum “aperto” minam continuamente os ânimos de um colaborador essencial para  o sucesso de um torneio. E mais uma solidão… Durante um longo período ninguém dirige palavra ao Árbitro Lateral, que somente é chamado às falas quando eventualmente é questionado (muitas vezes de modo irregular, mas este é um assunto para outro artigo) sobre a qualidade de seu julgamento.

Foi no VIII Campeonato Panamericano de Taekwon-Do ITF, realizado em Florianópolis em 2008 que tive a minha primeira oportunidade de atuar como Árbitro Central e, desde então, procuro sempre dar a maior atenção possível ao meu “time”, cuidando das suas necessidades. Além de cumprir a orientação do ITF Tournament and Umpire Committee, solicitando de tempos em tempos aos Árbitros Laterais que troquem de lugar – o que já lhes promove uma saudável movimentação durante o serviço – verifico, durante os intervalos entre as disputas, se os membros da minha equipe precisam de água, se precisam ir ao banheiro etc. Também converso com eles sobre o nosso desempenho, pergunto se o  meu posicionamento no ring não lhes está eclipsando os Atletas  e convido-os a ter uma participação mais ativa na árbitragem, sinalizando para mim qualquer irregularidade que percebam durante o andamento de uma luta.

É muito importante os Presidentes dos Conselhos de Ring e os Árbitros Centrais aproximarem-se mais de seus colaboradores, tratando-os realmente como integrantes de um time vencedor. Acredito fortemente que, se desenvolvermos um “espírito de equipe” no Conselho de Ring, a motivação de todos será muito maior e a qualidade da arbitragem irá aumentar significativamente.

Bons dias !!!

Boosabum Eduardo Godoi (3o. Dan)

Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do Brasil
Academia Shaolin – Louveira – SP
Rua Armando Steck, 294 – sala 2 – Centro

À sombra de cronistas imortais

por Eduardo Godoi

Prezados Leitores

Nestas primeiras linhas, destaco a felicidade que me acompanha desde o convite feito pelo Boosabum Giovani Godoi (2o. Dan ITF) para ombrear, no espaço de seu blog (www.taekwondoparatodos.com.br/blog), a um time já repleto de craques. É certo que faço parte da retaguarda: beque central de outro tempo, que mata o poema na porta do gol e pouco avança. Ah, se eu fosse um Newton Santos, eu dava até safanão com elegância…

No Brasil, em meio a uma vária oferta de programas esportivos para rádio e televisão em que a baixa qualidade jornalística é sensível, nota-se a presença, na imprensa escrita, de grandes mestres da literatura fazendo-nos sonhar cotidianamente através da crônica esportiva. Segundo Túlio Velho Barreto – Cientista Político e Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco

“Sem dúvida, os maiores craques da crônica esportiva brasileira foram José Lins do Rego e os irmãos Mario Filho e Nelson Rodrigues. Se não fossem da mesma geração poderiam ser comparados a Friedenreich, Leônidas e Pelé ou Domingos, Zizinho e Garrincha. Mas, contemporâneos, podem ser comparados ao meio-de-campo formado por Clodoaldo, Gérson e Rivellino. Infelizmente, os três não tiveram sucessores à altura, apesar da qualidade de João Saldanha, Armando Nogueira e Luis Fernando Veríssimo, por exemplo, e da profusão de craques que se sucedem dentro das quatro linhas.”

(http://ueba.com.br/forum/index.php?showtopic=24241)

Para os mais jovens, Mestre Armando Nogueira é o grande modelo cuja arte diluimos, inevitavelmente, ao tentarmos imitá-lo:  como é difícil para nós a expressão exata e agradável em poucas palavras !!! Fôssemos Nogueira, um parágrafo nos bastaria para narrar a epopéia de uma luta. Ou, como ele mesmo disse sobre habilidade de Garrincha para driblar:

“Para Mané Garrincha, o espaço de um pequeno guardanapo era um enorme latifúndio.”

(http://jc.uol.com.br/canal/esportes/noticia/2010/03/29/frases-marcantes-de-armando-nogueira-217915.php)

Postas as minhas limitações como cronista que se encolhe à sombra de gigantes, tenciono fazer umas digressões sobre a arbitragem dentro das competições do Taekwon-Do ITF, tema que promove discensos e gera também debates acalorados. Já com alguma experiência como Árbitro e com bastante estudo sobre o assunto, quero contribuir um pouquinho com os meus artigos para que todos – Árbitros, Competidores, Técnicos, Professores e Torcida – possamos construir uma cultura de arbitragem mais saudável, mais profissional e mais justa. Espero elevar o tema, sem maniqueísmos ou simplificações, a um patamar de destaque, arrostando também as questões polêmicas, conquistando corações e mentes. Como será fácil perceber em meus textos, apaixonam-me os torneios em seus vários aspectos: a arbitragem arrebata-me.

Bons dias !!!

Sabum Nim Eduardo Godoi (4o. Dan)

Ch’ang Hon Ryu Taekwon-Do Brasil
Rua Armando Steck, 408 – sala 3 – Centro – Louveira – SP – CEP 13.290-000

P.S.: Para todos os amantes do esporte e da literatura, recomendo fortemente o livro “À sombra das chuteiras imortais”. Leia, a seguir, a sinopse da obra que encontrei no web site da Livraria Cultura

À sombra das chuteiras imortais, a primeira coletânea das crônicas esportivas de Nelson Rodrigues, reúne setenta textos que Nelson publicou na extinta revista Manchete Esportiva e em O Globo entre os anos de 1955 e 1970. Elas cobrem o período mais rico e fascinante do futebol brasileiro – aquele que vai da derrota do Brasil para o Uruguai, na final da Copa de 50, em pleno Maracanã, à conquista definitiva do tricampeonato no México, em 1970, passando pelas emoções que transformaram a idéia que o brasileiro fazia de si mesmo.” (www.livrariacultura.com.br)